Conferência “Portugal e as Novas Indústrias do Mar”

“É essencial reforçar a importância e as capacidades na indústria do Mar em Portugal e incentivar a exploração.” Foi esta a principal conclusão, proferida pelo Diretor do Jornal Economia do Mar, Gonçalo Magalhães Callaço, na conferência “Portugal e as Novas Industrias do Mar”, realizada ontem. No evento organizado pela plataforma Portugal Agora, os oradores destacaram também a importância da imaginação e da inovação para explorar, de forma sustentável e rentável, o oceano e os seus recursos. Os entraves burocráticos e o elevado custo de mão de obra nestas atividades foram as principais dificuldades apresentadas para avançar com novos projetos.

Com oito oradores de diferentes setores desta área, discutiu-se também as oportunidades e os recursos por explorar no mar portugueses, assim como as áreas de aposta e atividades emergentes.
A abrir a conferência, Manuel Pinto de Abreu, Ex secretário de Estado do Mar, destacou a importância de “olharmos para além do que se faz só em Portugal” e apostar em atividades em crescimento, como as energias renováveis, a biotecnologia e a aquacultura, sem descurar as estabelecidas, como o turismo, a pesca e a transformação de pescado. Pinto Abreu referiu também que há uma tendência nesta área para “as necessidades de emprego serem cada vez menores, substituídas por sistemas autónomos”, mensagem que foi reforçada por Miguel Prado, diretor da IN2Sea.

Gonçalo Magalhães Callaço, diretor do Jornal Economia do Mar, destacou o posicionamento e as vantagens competitivas de Portugal em relação ao Oceano Atlântico afirmando que “O Atlântico é um Oceano Lusófono” e que “tudo o que é pensado em relação a Portugal deve passar pelo mar, desde o Direito, à Economia, à Engenharia.”

A mesa redonda contou com intervenções de Miguel Prado, da In2Sea, Nuno Coelho, da Alga Fuel, Andreia Cruz, do Oceano Fresco, José Candido da Wavec, Pedro Manuel da Bitcliq, Rui Batista, professor na Faculdade Ciências da Universidade de Lisboa e por fim Nuno Cunha, da Aavanz. Os oradores apresentaram os diferentes projetos em setores como as energias renováveis, a produção de microalgas, a produção de bivalves, a consultoria de projetos no ambiente marinho e a gestão de projetos de pesca comercial e industrial.